Os vietnamitas

O Vietnã tem motivos de sobra para te trazer aqui, mas o que me deixou intrigada mesmo foram eles, os vietnamitas. Para ter uma ideia, precisei de um mês viajando de sul a norte para começar a pegar o jeitão deles e otimizar nossa interação, que hoje é uma das mais legais dessa viagem.

20140704-211533-76533513.jpg
Fazendo amigos em Hoi An

É claro que tem gente de todo tipo em todos os lugares, mas depois de nove meses na estrada, percebi que cada país tem uma média de comportamento. Mas não no Vietnã, porque aqui você nunca sabe o que vai ser. Conheci dos mais doces e amigáveis aos mais rabugentos e sacanas, uma relação que vai do encantamento ao estranhamento todo dia. E é aí que está a graça.

Cena 1

Saigon. Estava sozinha esparramada em um dormitório enorme para quatro pessoas. Ao voltar na terceira noite, a gerente toda preocupada pergunta se quero mudar para um quarto só meu. É que três homens chegaram e eu iria perder minha privacidade (situação mais que esperada para os pobretões da categoria quarto dividido). E quanto custaria o pequeno cuidado? Nada. Ela achava certo assim.

Cena 2

Hoi An. A graciosa jovem tinha oferecido cadeira de praia gratuita na sua barraca, mas depois disse que todos que não comeram teriam que pagar 5 reais extras. E o suco, que custava 3 reais, agora era 4,5 (o preço não constava no cardápio). Quando os indignados resolveram sair arcando só com o justo, os empregados grudaram nas bicicletas decididos a não deixar ninguém passar. Meia hora de confusão e gritaria depois, um local enfurecido ameaça jogar seu sapato no grupo – o que no budismo não é só uma agressão, como também uma das mais altas ofensas.

***

Os vietnamitas são das personalidades mais autênticas do Sudeste Asiático e aparentam não dar a mínima para a opinião alheia. Sinto que muito dessa autoestima multiplicou quando botaram França e Estados Unidos para correr. Conhecer de perto a obstinação e o patriotismo desse povo, que chegou a morar anos em túneis como tática de guerra, trabalhando de noite nos arrozais para guerrear de dia, reciclando armas usadas enquanto choravam luto, explica muita coisa.

Pense em uma gente intensa, que fala alto, ri alto (mais que no Brasil, sim é possivel). Já levei uns tapões no braço de senhoras banguelas sorridentes no meio da rua e até hoje não entendi porquê. Esses dias começou uma gritaria no ônibus e os estrangeiros nos entreolhamos já esperando a briga, mas o que saiu mesmo foram sonoras gargalhadas. Outra tarde passeava com uma amiga no mercado e um grupo de vendedoras encasquetou com o “airbag“ da moça. Já acostumando com o modus operandi local, entramos na onda e acabamos em uma histeria  feminina coletiva, elas pegando nosso peito para comparar tamanhos e tudo.

20140704-211642-76602736.jpg
Dar banho de balde no cachorro na frente do seu comércio, por que não?

Geralmente, quando eles vão com a sua cara, não tem para ninguém. Eu, brasileira em época de Copa no país dos enlouquecidos por futebol, então… pff, dei muita sorte. Mas atenção: quer azedar um entrosamento que vai indo bem, só falar alguma coisa do contra (guarde a negativa para quando realmente precisar). Depois não diga que não avisei.

Anúncios

6 Comentários on “Os vietnamitas”

  1. Mara Garcia disse:

    Muito legal !!!!!
    Vontade de conhecer o Vietna.
    Boa viagem e que cada vez venham mais conhecimentos.
    Abraços

    • deborazampier disse:

      Venha Mara, com certeza aprendizado aqui é o que não falta para todos nós, uma aula diária de conhecer e respeitar o diferente. Além dos inúmeros lugares para visitar, claro!

  2. Carlos Takeo Sugui disse:

    Um dos relatos mais interessante e, não que os outros não o fossem. É que falar de um povo que sofreu por motivos até alheios à suas vontades, sempre é muito interessante, (pelo menos para este que rabsisca algumas linhas de comentário). Aprendi que em meio aos budistas, nem pensar em jogar o sapato, daí que em algumas confusões nos plenários ocorridos no oriente, presenciamos o vôo cego de algum “pisante”, rsrsr.

    • deborazampier disse:

      Oi Carlos, realmente se tem um povo sofrido contra a vontade aqui para esses lados é o da Indochina! (Vietnã, Laos e Camboja). Citei esses dois cases ocorridos comigo aqui justamente para mostrar que os vietnamitas podem ser incríveis ou horríveis, e nunca se sabe como uma conversa vai acabar hehe

  3. Aline disse:

    Adorei esse povo!!! bjs..


Comentários aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s