Meu encontro com Madre Teresa

Não tenho religião – ou como descobri nos últimos tempos, tenho todas elas. Então foi como turista, e não como devota, que quis visitar a casa de Madre Teresa, figura tão intrinsecamente ligada a Calcutá que a cidade virou seu sobrenome.

A história conta que o extremo leste da Índia foi um dos lugares mais abalados com os desdobramentos da independência indiana na década de 1940. Desarranjos políticos, religiosos e econômicos trouxeram à Calcutá milhares de miseráveis, esqueletos sem nome que morriam amontoados nas ruas (as fotos da época são o horror da vergonha a que chegamos como raça humana). Foi nesse contexto que a então enclausurada Irmã Teresa sentiu o chamado divino para sair às ruas e levar amor a quem já não temia sequer a morte, pois o inferno era ali mesmo.

A história também conta que ela não era uma figura unânime, mas confesso que fiquei com preguiça de procurar os defeitos da mulher que desembarcou sozinha em um dos cenários mais dantescos do mundo buscando fazer alguma diferença. Que morava em um quartinho minúsculo e abafado em cima da cozinha e nunca pediu sequer um ventilador. Que abriu centenas de casas aos desamparados e trabalhou até os 87 anos, já muito doente, sem esperar fortunas, promoções e férias em resorts no final do ano.

Mas foi sem saber de tudo isso que cheguei à casa. Também não sabia que ainda faltava meia hora para o horário de visitação, e já me preparava para esperar quando uma mulher se aproximou amparando um senhor de muletas, com uma prótese tosca no lugar da perna. Ela sorriu e me chamou para entrar com ela. Foi me levando pelo braço por dentro do convento até uma salinha meio escura, as luzes ainda apagadas. Por algum motivo, fui contemplada com meia hora sozinha junto ao túmulo de Madre Teresa, um dos pontos mais visitados da cidade.

20131204-133018.jpg

Assim que cheguei aos pés da caixa branca de pedra, uma grande emoção me colocou de joelhos e as lágrimas brotaram sem parar. Justamente eu, que até ali sabia pouco além do nome turbinado pelo Nobel da Paz de 1979. Fui invadida pelas visões e sentimentos que resultaram em uma vida dedicada aos indesejados, e a experiência foi tão comovente quanto aterradora. Afinal, a responsabilidade pelo que está acontecendo é de todos nós.

“Eu vi uma multidão muito grande com todos os tipos de pessoas, muito pobres, e havia crianças também. Todos eles tinham as mãos levantadas para mim, que estava de pé no meio deles”, diz a Madre, sobre um de seus chamados, no quadro pendurado na parede. É a cena que vejo na Índia todos os dias, e a lembrança das imagens traz uma nova descarga emocional.

20131204-132725.jpg

Antes de sair da sala, deixei uma oração na caixinha ao lado do túmulo. Pedi ajuda para que aquele meu sofrimento individual, meio inútil no contexto das coisas terrenas, seja transformado em ações concretas nos momentos certos. E que a perturbação pelo sofrimento do próximo nunca esmoreça. Acho que pedi para a pessoa certa.

Anúncios

19 Comentários on “Meu encontro com Madre Teresa”

  1. Silvane Santos Silva Felício disse:

    Venho conhecendo você devagarinho,aqui mesmo, e fico feliz em ver que ser humano que és. Deus te guarneça . Amar ao próximo. Abraços, Silvane

  2. Juliana Pires disse:

    Relato liiindo, amore! Emocionante!
    E a vida precisa disso mesmo… Pausas e reflexões… Obrigada por compartilhar tudo isso conosco!
    Bjos e saudades

  3. Mara Garcia disse:

    Lindo !!!!!!!
    Que sua viagem tão sonhada continue linda.

  4. Isabela disse:

    Ler esse seu post me fez reviver toda a emoção, todos os choros e tudo que eu senti diante desse túmulo e nesse local tão santo!!
    Aí consegui me descobrir muito mais como ser humano, entender meus medos e anseios!
    Aí também vivi momento muito fortes, quando vi mais de uma religião ajoelhada ao lado desse túmulo rezando por ela no seu aniversário de falecimento. Um ser humano que foi capaz de tantas coisas, até juntar religiões que sempre dividiu tanto o homem!
    Sou muito suspeita pra falar de tudo que ela deixou, principalmente depois de conviver com as irmãs que seguem seus passos, mas vivendo aí e com elas, aprendi ainda mais que, não existe motivo pra não sorrir todos os dias! Independente do que nos aconteça

    • deborazampier disse:

      E mesmo sabendo de tudo que você já tinha contado, só estando lá para saber né? Mas claro que minha rápida passagem nem se compara à intensidade do seu voluntariado. Saudade de você, ser risonho!!! Bj

  5. Patrícia Colela Doyle disse:

    Débora querida, que texto bonito e comovente! Acompanhei,pela imprensa,com muita admiração e emoção alguns anos da vida de Madre Teresa e gosto muito de uma frase dela: “as mãos que ajudam são mais sagradas do que os lábios que rezam”. Beijos.

  6. Comovido, Débora. Onda de arrepio ao ler seu post. De todos, até agora, o mais bonito. Eu sou católico convertido (não de berço, como quase todo brasileiro), e sabe essa onda de emoção que tomou conta de você quando chegou ao lado do túmulo dela? Sabe essa onda reflexiva que tomou conta de você após passar por essa experiência? Muita gente interpreta isso como a tal da “culpa católica”, como sendo uma religião impregnada de sofrimento, a coisa toda do pecado. Na verdade, não é nada disso. É só que a inconformidade dói às vezes. E essa inconformidade não é exclusiva do catolicismo. Na verdade, acho que deveria ser de todos os seres humanos, com e sem religião. Bjo.

    • deborazampier disse:

      Oi Morillo! Pois é, também acho que o sentimento não tem a ver com culpa, e sim com uma comoção e vontade de fazer diferente, independentemente de religião. Bj

  7. MINGO E ILMA disse:

    Nós (tio Mingo e tia Ilma), estamos achando esta viagem uma doce loucura! Beijos.

  8. Nádia disse:

    uau. Estou arrepiada e emocionada aqui. Lindo.

  9. Aline disse:

    Ela era uma pessoa muito boa! independente de religião, o importante é a gente ter bons sentimentos e sobretudo amor ao próximo! e vc é assim.. uma menina mto boa de coração! que Deus a abênçoe. bjs.


Comentários aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s