Para que ano fomos, Doc Brown?

20140207-001735.jpg

A tal mini-praça, o tal templo, a tal mulher de xale.

O Nepal vai bem, mas não esse que você está pensando.

Em algum momento criamos a imagem de um país tranquilíssimo nas montanhas encrustadas de monastérios budistas. Pois 80% da população é hindu, e considerando a capital, tranquilidade é um conceito que não se aplica (ainda que o ritmo esteja longe de uma metrópole convencional).

Se Delhi era o choque desconcertante entre pobreza e luxo, Kathmandu é a convulsão temporal encarnada. Me esforcei para lembrar que estou em 2014 enquanto caminhava pelas empoeiradas ruelas que desembocam em mini-praças medievais. Nos pés dos templos, mulheres enroladas em xales passam o dia acocoradas junto às mercadorias expostas em lonas e sacos, os legumes e verduras pesados na balança de mão. Nos açougues, as carnes são exibidas em balcões que dão para a rua, o cheiro de sangue invadindo a calçada.

20140207-004637.jpg

Em harmonia com a arquitetura dos templos, as rústicas habitações de três a cinco andares nas sobrelojas são ornamentadas com janelas esculpidas em madeira. Perambular pelos pátios internos formados pelos prédios é ser transportado para uma outra época, onde a água do poço é bombeada manualmente e as crianças brincam na rua.

A noite chega e quase não há iluminação pública. O breu completo é quebrado por feixes esquálidos de luz que vazam das lojas equipadas com minigeradores ou um gato bem puxado. Muitos estabelecimentos só contam com luz de velas.

20140207-011252.jpg

Reasseguro estar no Século 21 enquanto caminho pelos bairros mais novos salpicados de shoppings e de estabelecimentos ocidentalizados. Na área dos mochileiros, rapazes de franja lambida da moda vendem jaquetas North Face para turistas despreparados. Guardas passam o dia empenhados em domar o trânsito nas ruas por onde passam carros e ônibus, e os rios tentam arrumar um espacinho para fluir entre a enorme quantidade de lixo.

Kathmandu parece um pássaro que precisa sair do ovo que já não comporta a vida lá de fora. Mas aí o pássaro não sabe viver de outro jeito (ou prefere esse mesmo) e vai ficando até quando der, a casca toda rachada deixando entrar o novo, para o bem ou para o mal.

****

p.s.: sabe o Sri Lanka? Finalmente carreguei todos os álbuns aqui!